12 de julho de 2012

Porque um dia eu vou ser avó...


Texto dedicado a avó mais legal do mundo, que além de ter preparado muitas guloseimas saborosas, ainda me ensinou a apreciar arte, O Pequeno Príncipe, os jardins franceses, e as ruínas dos povos antigos.


E daí que outro dia minha amiga veio me dizer que ela se preocupa com o cabelo dela quando for avó. Você vê, pra ela vovó tem cabelo curto, branco e enroladinho, mas aí o dela vai ficar armado  e esquisito. O curto enroladinho não vai rolar. Ela também tem medo de não saber fazer crochê e tricô até lá, e avó que é avó tem toalhas e mais toalhas de crochê, todas prontas e cheias de biscoitos em cima para servir para os netinhos.

Eu, que ainda estou contemplando a idéia de que meu útero pode gerar uma vida (uma vida que vai crescer, se desenvolver através dos anos, um dia casar, e contemplar a idéia que pode gerar uma vida que será o meu neto), nunca, mas assim, nunca mesmo, pensei que um dia seria avó. E sabe quando você se pergunta, mas que diacho de avó eu vou ser? Assim, meio teórico mesmo porque, como disse, ainda estou tentando entender que posso ser mãe. Vó?  Jamé.

E aí eu formei uma teoria. Eu quero ser uma avó cool, bem Jane Fonda. Eu vou levar os meus netos para as minhas aulas de fitness, e vou comprar com eles camisetas de banda pra usar debaixo do meu terninho de corte reto e colar de pérolas (presente do meu filho, que insiste em me classificar como uma avó“normal”). Ao invés de perder minhas tardes assando carboidratos recheados de açúcar, eu vou levar a minha prole de netos para os restaurantes mais badalados da cidade pra tomar um smoothie de grama com leite de soja.

E apesar disso, eles ainda vão me amar. Porque ao invés de perder o meu tempo tricotando um cachecol fora de moda que eles vão simplesmente odiar, eu vou explicar para eles as revoluções do mundo, vou ensiná-los a apreciar o parnasianismo e as culturas ocultas, vou discutir com eles as poesias de Manoel Bandeira e a malandragem de Macunaíma, e mostrar para eles como apreciar as músicas do Coldplay antes deles terem se tornado uma banda pop. Vou contar as minhas histórias de Brasilia e de como pisei no chão onde a Legião Urbana esteve, e como as obras de Oscar Niemeyer são eternas.

E então eles vão entender que eu não só serei uma avó muito legal, como eu também serei uma pessoa que viveu, que andou nos passos dessa terra, e que absorveu cada momento dessa vida com intensidade. Porque qualquer um sabe tricotar, mas não é qualquer um que sabe viver.

4 comentários:

  1. Impossível não aplaudir!!!!!! Parabéns!!!!!! Que texto maravilhoso!!!! Fiquei feliz porque não sei tricotar... hehehehe
    Te amo1 Ah! Não esqueça: sou sua fã nº 1!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, mãe! Tudo o que eu preciso é de fãs como você! :D

      Excluir
  2. Monks, muito lindo, chorei, o que não é difícil! Mas a minha emoção é em saber que,a flor desabrochou, transformou a linda garotinha em mulher sábia, maravilhosa e grata! Grata pela família, pelo amor e pela educação! Lembrar-se da avó, que foi parte importante dessa história, é muito lindo! De fato, a vó viajou, caminhou muito e trouxe, além de pequenas lembranças, histórias dos lugares em que esteve, sempre desejando compartilhar os seus sonhos e sempre desejando que aqueles (as) à quem tanto ama, também tenham essas oportunidades e outras tantas! Fico feliz em saber que a vó é um exemplo que merece ser citado! Fico mais feliz em saber que, em meio às dificuldades, inerentes à vida, você vence e não perde os bons princípios! Você é especial e me faz feliz poder dizer, com muito orgulho, que é minha sobrinha! Me fez viajar, ao lembrar-me da vó preparando as deliciosas refeições, lanches e ainda, com disposição prá trabalhar fora, cuidar de tudo e contar histórias! Se eu te amo? Hoje, mais do que nunca! Sua linda!!! bjs

    ResponderExcluir
  3. Que post lindo Monica! espero ser uma avo cool que nem vc vai ser! hehe. bjs

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...